segunda-feira, 13 de junho de 2011

Matéria Exclusiva - Impressões da Conferência da Microsoft na E3 2011

    Na semana passada ocorreu um dos eventos mais importantes de todos no mundo dos games e tecnologia, a E3, edição 2011. Dentre as conferencias que ocorrem no evento, as três mais importantes são as da Microsoft, Sony e Nintendo, e a primeira delas à iniciar o evento foi a Microsoft junto com seu Xbox 360.

   A Microsoft iniciou sua conferencia da melhor maneira possível, sem falatório e indo direto ao que interessa, os games. Logo na abertura, fomos presenteados com mais de 10 minutos de gameplay de Modern Warfare 3, game que mais parecia um filme do que qualquer outra coisa. Em seguida, veio quase que sem nenhum intervalo mais uns 5 minutos de gameplay do novo game de Tomb Raider, dessa vez encabeçada pela Square-Enix. O game fez os jogadores sentirem pena de Lara Croft, uma vez que a coitada só apanhava e se machucava durante o jogo. Mas tudo isso foi apenas o começo daquela que foi considerada por muitos como a melhor conferência desta E3 2011.




Pontos altos:


- Menos enrolação, mais jogos: Diferente do que ocorreu em outras conferencias, no evento da Microsoft, os anuncios eram mais diretos. Foi aquele tipo de evento que o expectador não tinha tempo nem de piscar porque os games eram anunciados um após o outro, com quase nenhuma interrupção. Os anúncios não levavam mais de 10 minutos para se mostrar 3 minutos de trailers. Em menos de meia hora o público já tinha assistidos inúmeros gameplays, anuncios, demonstrações em tempo real das novidades para Kinect, enfim, uma conferencia focada em entusiasmar o jogador e não dar tempo para que ele pensasse se é realmente bom ou não, apenas deixando-se levar pelo entusiasmo da feira. Pelo ponto de vista mercadológico, foi uma jogada genial da Microsoft, pois quando o expectador já estava animado, vinha uma novidade mais entusiasmante ainda, aumentando a ansiedade de colocar as mãos em todas as novidades apresentadas. E mesmo não durando 2 horas, a conferência da Microsoft teve um volume muito grande de games e novidades anunciadas, realmente prendendo o público na cadeira.




- Valorização das Thirds Parties: Todos os anúncios da Microsoft faziam você querer ter aquele determinado game (menos Vila Séssamo). E isso não foi focado somente no que há de exclusivo para sua plataforma. A empresa soube valorizar muito bem em sua conferencia, a participação dos games das outras empresas, valorizando-os mais no Xbox 360 do que em qualquer outra plataforma. Podemos citar deste exemplos mais simples, como as inétidas exibições de gameplays de Modern Warfare 3 e Tomb Raider, como os recursos exclusivos do Xbox 360, como o uso do recurso de comando por voz, como pode ser visto em Mass Effect 3.  Também podemos acrescentar o suporte ao Kinect que muitos games apresentarão, como Ghost Recon: Future Soldier, por exemplo. Em resumo, a Empresa soube valorizar os games não exclusivos de tal forma, que praticamente os tornou exclusivos para Xbox 360. Vamos ser sinceros, muitos, depois de terem assistido à demonstração do comando de voz em Mass Effect 3, vão preferir jogar a versão de Xbox 360 do que às outras né.




- Kinect roubando o show: Quem assistiu à conferencia da Microsoft na E3 2011 sabe muito bem que a grande estrela foi o Kinect. Foi simplesmente incrível como a empresa conseguiu pegar um acessório que já tinha sido anunciado no ano passado e fazer parecer que foi a primeira vez que víamos o Kinect ali. Para muitos que reclamavam da falta de games mais hardcores, a Microsoft mostrou muitos games consagrados com suporte à Kinect, como Mass Effect 3 e Ghost Recon. Mas o show mesmo foi para os games exclusivos de Kinect, como Fable: The Journey, Ryse e Star Wars Kinect.
  Fable: The Journey, apesar de ter gerado a dúvida de ser um game "On rails", que Peter Molyneux já deixou bem claro não ser, impressinou muito com a libertade de comando via Kinect. O jogador poderia dar forma às magias simplesmente movendo suas mãos como quissesse. Se girasse elas em torno de si mesmas, criava uma enorme esfera de energia. Se não fosse a sua intenção, bastava esticar essa esfera de energia com as mãos e transformá-la em uma lança de pura energia. A liberdade era total, e tudo isso era feito ao bel prazer do jogador utilizando livremente as mãos. Simplesmente impressionante.
   Ryse, a nova criação da Crytek, mesma empresa de Crysis, apresentou um game com gráficos espetaculares, provando que não é necessário um game com capacidade gráfica mais simples para se produzir para o Kinect. Ryse leva o jogador à Roma antiga, lutando com gladiadores e outros inimigos, utilizando simplesmente seu próprio corpo no Kinect. O acessório da Microsoft reproduzia fielmente os movimentos do jogador, dando socos e chutes. Admito que na cena em que o jogador chutava e aparecia as pernas do personagem no game, pensei comigo mesmo "ESPAAAARRRTAA!!". Isto é apenas para terem uma idéia do quanto espetacular parece ser esse game.
   Bem, praticamente não há muito o que falar de Star Wars Kinect. Simplesmente você é um cavaleiro Jedi, e utilizando o Kinect, você pode lutar com o sabre de luz, usar a força para levantar obajetos e usar a super velocidade para se descolocar de um ponto para o outro. Resumindo, o sonho realizado de todos os fãs de Star Wars.




Pontos fracos


- Poucos games exclusivos: Muitos devem estar se perguntando "mas e os games para Kinect?". Bem, respondo-lhes da seguinte forma, nem todos possuem um Kinect, tratando-se ele de um acessório e não de um console. No que diz respeito ao Xbox 360 em si, a grande maioria dos games anunciados eram multiplataformas. Claro que teve a participação de Gears of War 3, Halo Anniversary, Halo 4 e Forza4. Mas, tirando forza, são games do mesmo genero. Faltou variedade nas exclusividades. A Microsoft se mostrou ainda muito dependete das thirds parties quando o assunto são games para a sua plataforma sem serem para o Kinect ou terem suporte à ele.


Impressões finais 



   Foi um evento pensado em criar grandes expectativas do jogador em relação aos anúncios da conferencia, obtendo êxito na grande maioria deles. Ao mesmo tempo que fez o jogador enxergar o Kinect de uma outra forma, tornando-o mais revolucionário do que ele já era, também se focou demais no acessório e deixou os games únicos para Xbox 360 um pouco de lado, quase que criando uma obrigatoriedade em se ter o acessório.


Nivel de entusiasmo: 9.6




Por Jorge Megabit

Quaisquer críticas ou sugestões, basta entrar em contato com o email: mbgames@zipmail.com.br

Siga-nos no Twitter:  

Conheçam o nosso canal no YouTube   

Nenhum comentário:

Postar um comentário