segunda-feira, 21 de março de 2011

RETROanálise - Metal Gear Solid 3: Snake Eater

   Um clássico que merece ser venerado pelas futuras gerações de gamers. Tudo, tudo mesmo funciona de forma perfeita em Metal Gear Solid 3: Snake Eater, um dos melhores jogos já produzidos. Leia esta análise especial sobre este clássico. Aproveite e conheça agora um pouco do game que será relançado para o NINTENDO 3DS. 


   Após vender 3.960.000 unidades em todo mundo, Metal Gear Solid 3 se tornou um dos games mais cultuados já lançados. Produzido por Hideo Kojima para a Konami e lançado em 2004 no Japão e nos EUA, o jogo impressionou a todos pela sua jogabilidade e pela espantosa parte técnica.
   Originalmente concebido para o lançamento do PS3, Hideo Kojima ficou impaciente com a demora do desenvolvimento das bibliotecas de programação do futuro console da SONY. Logo, ele e sua equipe, resolveram lançar o jogo no PS2 mesmo. Foi decidido também que Metal Gear 3 levaria o PS2 a feitos técnicos impossíveis para o aparelho. Sem deixar de citar que agora o cenário iria mudar, 2/3 do jogo se passaria  em uma floresta, assim o elemento natureza seria adicionada a jogabilidade. Foi decidido também que MGS 3 seria uma "prequel", se passando antes dos outros games da série. 
   Metal Gear Solid 3 se passa durante a Guerra Fria em 1964, onde um agente da CIA, de codinome "Naked Snake", é enviado às florestas da União Soviética. Auxiliado pelo rádio por Major Zero, Para-Medic e sua ex-mentor "The Boss", sua missão é resgatar um cientista soviético traidor chamado Sokolov, que está secretamente desenvolvendo um tanque equipado nuclearmente, chamado "Shagohod".

Assista a espetacular seqüência inicial do jogo

Gráficos

   IMPRESSIONANTE, esta palavra resume bem a parte gráfica deste jogo. Na geração passada o PS2 sempre foi reconhecido como o mais fraco tecnicamente. Game Cube e X-BOX faziam gráficos muito melhores. Metal Gear Solid 3: Snake Eater rompeu este paradigma e se mostrou um jogo tão bem feito quanto The Legend of ZeldaTwilight Princess no Game Cube.
   Os vídeos gerados em tempo real são estupendos, alguns chegam a parecer CG's de tão bem feitos. O jogo em si roda muito bem, a floresta é detalhada, a movimentação dos personagens é ótima, os animais, tudo é extremamente bem trabalhado. Para se ter uma idéia, O game Batman: Arkham Asylum para o X-BOX 360 tem várias falhas gráficas, como a bota do Batman passando através da capa e coisas assim, enquanto que no game MGS 3 isso simplesmente não acontece. O jogo está extremamente bem trabalhado e refinado, apresentando cenários perfeitos, ricos, complexos e sem falhas.
NOTA: 10



SOM

   A trilha sonora do game é utilizada em momentos certos, ela não toca o tempo todo. Em cenas de ação, lutas contra chefes, animações, aí sim a música entra, magistralmente composta por Norihiko Hibino (somente o tema de abertura) e Harry Gregson-Williams (músico conhecido pela trilha sonora de trilogia MATRIX). A parte sonora é muito bem trabalhada no jogo, os sons doa animais da floresta, dos rios, a direção dos soldados conversando ao longe, os ruídos das armas, dentro da base, tudo, tudo é muito bem usado. Incrível como tanta qualidade gráfica e sonora coube em somente 1 DVD. Neste jogo, o som é um personagem, e se você prestar atenção, é um personagem que atua a seu favor. Recomendo jogar este game usando um HOME-THEATER.
NOTA: 10

Norihiko Hibino criou um tema digno dos melhores filmes do agente 007.



JOGABILIDADE

   Metal Gear Solid criou um gênero, então Metal Gear Solid 3: Snake Eater aperfeiçoa a fórmula criada para a franquia. O uso inteligente do som, as novas armas, o uso de veículos, o sistema de cura em caso de ferimentos, o uso de disfarces (uma das coisas mais divertidas do game) faz de Metal Gear Solid 3: Snake Eater uma evolução da fórmula criada por Kojima. Não deixe também de prestar atenção nas conversas no CODEC, muito interessantes e cheias de dados sobre o período da guerra fria. 
NOTA: 9,5



REPLAY 

   Metal Gear Solid 3: Snake Eater tem um alto fator REPLAY. Em primeiro lugar, ao terminar o jogo você ganha um conjunto de brindes, roupas e armas que modificam a jogabilidade quando você joga de novo. Somando-se a isso, ainda existe a versão SUBSTANCE do jogo, que traz legendas em espanhol e câmera 3D (a câmera do jogo na edição normal é fixa). Ainda fica habilitado ao terminar o jogo uma espécie de "teatro" onde você pode selecionar o vídeo e rever. Com itens extras, possibilidade de rever os ótimos vídeos, sequencias de ação de tirar o fôlego que merecem ser jogadas mais de uma vez (que o diga a fuga de moto no fim do jogo!!), Metal Gear Solid 3: Snake Eater merece ser revisto pelo menos uma vez.
NOTA: 9,5


ORIGINALIDADE

   Com cerca de 10 horas de jogo, o jogador percebe que nunca jogou aquilo em lugar algum. Mesmo usando a mesma jogabilidade de Metal Gear 1 e 2, Metal Gear Solid 3: Snake Eater tem tantos elementos novos que fazem deste game uma experiência exclusiva. Como foi dito antes não é toda franquia que carrega o título de criar um gênero.
NOTA: 10

Veja bem esta imagem, se encontrar este jogo à venda compre! 



AVALIAÇÃO FINAL: 9,8

   MGS 3 não é um jogo, é uma experiência completa, uma experiência de jogabilidade, onde gráficos e sons casam perfeitamente para criar um dos melhores jogos já feitos. Não fique em dúvida, se não jogou jogue agora, logo logo ele estará no 3DS.

 A nota do game é obtida somando-se todos os quesitos e dividindo por cinco.

Por ConstancioH

Conheça nossas matérias EXCLUSIVAS sobre o mundo dos games, clique aqui.
Quer receber sempre as atualizações das notícias? Siga-nos no Twitter - http://twitter.com/#!/MBgamenovo

Nenhum comentário:

Postar um comentário